O desempenho das dez contratações mais caras da temporada europeia

0

Com as competições europeias paralisadas por conta da pandemia de Coronavírus, é momento de fazer um balanço da temporada sobre diversos aspectos, entre eles o desempenho dos principais reforços dos clubes em 2019/2020.

Alguns corresponderam as expectativas e valeram a pena cada centavo gasto por seus clubes. Outros, no entanto, deixaram a desejar e ainda estão devendo bastante às suas torcidas.

Confira o top 10 das transferências mais caras da temporada europeia e uma análise de desempenho nos seus respectivos clubes.

  1. Romelu Lukaku (Internazionale de Milão/ITA – 65 milhões de euros)

 

 

 

Contratado junto ao Manchester United, o atacante belga é um dos bons exemplos de dinheiro bem gasto. Titular absoluto do time comandado por Antonio Conte, ele já marcou 17 gols na Série A italiana, ficando atrás apenas de Cristiano Ronaldo, da Juventus (21), e Ciro Immobile, da Lazio (27). Além disso, a sintonia com o argentino Lautaro Martinez faz da dupla de ataque uma das mais mortais da Europa.

  1. Rodri Hernández (Manchester City/ING – 70 milhões de euros)

Se hoje o Manchester City é apontado nas cotações como maior favorito ao título da Champions League (quando, e se ela for continuada), muito passa pelo seu meio-campo, que tem em Rodri um dos pilares fundamentais de funcionamento. O espanhol ex-Atlético de Madrid é titular absoluto, além de ser um dos jogadores com mais minutos jogados no time de Pep Guardiola. Na Premier League, são 3 gols e 1 assistência.

  1. Frenkie de Jong (Barcelona/ESP – 75 milhões de euros)

Contratado como uma das grandes promessas do futebol europeu, o meia holandês de 22 anos também logo cravou seu lugar no Barcelona. Ele esteve em campo em todas as partidas do clube catalão na Liga dos Campeões, e também jogou 26 de 27 jogos no Campeonato Espanhol, sendo um dos pilares do meio-campo e justificando o investimento.

  1. Nicolas Pépé (Arsenal/ING – 80 milhões de euros)

Jogador mais caro da história do Arsenal, o atacante francês naturalizado marfinense ainda não deu mostra de todo o seu potencial. Embora a temporada dos Gunners como um todo seja uma decepção, é fato que os números de Pépé poderiam ser melhores: na Premier League, são apenas 4 gols em 24 jogos. Vem sendo ofuscado pelo brasileiro Gabriel Martinelli, que custou muito menos.

  1. Lucas Hernández (Bayern de Munique/ALE – 80 milhões de euros)

Um dos defensores mais caros da história do futebol, o francês sofreu uma lesão no ligamento do tornozelo e ficou afastado dos gramados por quatro meses, perdendo boa parte da temporada. Foram apenas 13 jogos na temporada, o que não é suficiente para analisar seu desempenho. No entanto, o clube bávaro vê o lateral como um investimento a longo prazo.

  1. Matthijs de Ligt (Juventus/ITA – 85,5 milhões de euros)

Outro que chegou a peso de ouro após a surpreendente campanha do Ajax na última Liga dos Campeões, o zagueiro holandês se firmou ao lado de Bonucci na defesa da Juventus, uma das menos vazadas da Itália e da Europa. De quebra, de Ligt contribuiu com dois gols marcados no Campeonato Italiano, sendo um dos destaques na campanha do líder da competição.

  1. Harry Maguire (Manchester United/ING – 87 milhões de euros)

Zagueiro mais caro da história do futebol, o inglês tomou conta da defesa dos Red Devils e virou até capitão. Desde então, a solidez defensiva do United aumentou, com diversas partidas sem ser vazado. Embora ainda seja criticado por alguns torcedores, Maguire certamente elevou o nível da zaga e é um dos pilares do esquema de Ole Gunnar Solskjaer

  1. Eden Hazard (Real Madrid/ESP – 100 milhões de euros)

O belga chegou ao Real como grande esperança para reerguer o clube após uma temporada ruim e ocupar o posto de craque e líder deixado por um certo Cristiano Ronaldo. Em campo, no entanto, a história é outra. Hazard não é nem de longe o jogador que brilhou no Chelsea. É verdade que tem sofrido com lesões, mas também não ajudou muito quando esteve em campo: marcou apenas um gol em quinze partidas. É, certamente, a maior decepção da lista.

  1. Antoine Griezmann (Barcelona/ESP – 120 milhões de euros)

Não dá pra dizer que o francês é uma decepção no Barcelona, já que ele marcou 11 gols em 34 jogos, mas é fato que os torcedores do clube catalão esperavam muito mais de um jogadores mais caros de sua história, a ponto de o nome de Neymar ser ventilado nos bastidores do Barça a todo instante. Embora esteja sempre na sombra de Messi, é inegável que o desempenho no Atlético de Madrid era melhor.

  1. João Félix (Atlético de Madrid/ESP – 126 milhões de euros)

Considerado uma das maiores promessas do futebol mundial para os próximos anos, o português ainda divide opiniões na Espanha. Os números não impressionam (são apenas quatro gols no Campeonato Espanhol), mas a forma como ele conduz o time agrada. Além disso, a juventude é um fator a se levar em conta: ele tem só 20 anos e ainda deve evoluir bastante. Resta saber se será o suficiente para justificar o enorme investimento, que é o maior da história dos Colchoneros.

Deixe seu comentário